terça-feira, 18 de junho de 2013

Tá faltando homem.

Tá faltando homem.
É lastimável ver um sacerdote deixando seu posto, um atalaia descendo da torre de vigia, um segurança abandonando a guarita, é lastimável.
A insegurança visita o coração das pessoas que descansam naquela vigilância.

O medo dos inimigos toma conta da cidade e seus moradores caminham como presas na mira de predadores famintos.


A intercessão termina, a autoridade é desprezada pelo seu próprio possuidor.
Da mesma forma é triste e frustrante quando homens 'crentes' negligenciam o posto sacerdotal na sua família.
Há muitos que só vão aos cultos quando as esposas vão, que só fazem alguma coisa se a esposa estiver fazendo, que são a sombra da vida espiritual que suas mulheres tem.

Homens que se omitem de educar os filhos e, quando o fazem, confundem educar com adestrar.
Não, eles não querem ter mais um trabalho, eles querem que funcione.



Muitos alimentam um sentimento velado de heróis pelo 'supremo sacrifício' de levantar cedo todo dia de manhã para trabalhar.
Eles não tomam mais as crianças pela mão para levá-las à Escola Bíblica, não gastam 1 hora por semana sequer para fazer um culto doméstico, rotulando-o como religioso e ultrapassado, simplesmente como desculpa para não fazer N-A-D-A.
Homens que não vão mais ao quarto dos filhos, abençoá-los antes do sono.


Há casos especiais de uns caras que mais parecem precisar de uma chupeta, uma mamadeira e fraldas, tamanha fragilidade, tamanho dodói.



A esposa tem que ser mãe dos filhos e mamãe do marmanjo que se ressente com tudo, que desiste por tudo e só dá uma de macho dominante no seu habitat (isso de vez em quando).
O Reino de Deus sente falta dos valentes, dos guerreiros que não se acomodavam tão facilmente, dos que não depunham suas armas por causa da Internet, da preguiça ou do futebol.


O Reino de Deus precisa dos homens valorosos das histórias, dos bravos que deixavam seus nomes impressos na calçada dos destemidos.


Agora o pior e mais urgente:
As mulheres de Deus precisam dos seus guerreiros no lugar de guerreiros.


Muitos lares não tem refletido graça, paz e ordem por causa dos papéis invertidos.
Parte das mulheres que se tornaram valentonas viveram com homens omissos.
Saíram à frente por livre e espancada vontade, empurradas pelos maridos.
Aprenderam a comandar (e gostaram disso) porque ao seu lado estavam homens que abandonaram o posto.
Não, eu não sou machista! Eu leio a Bíblia, apenas isso, e nela se vê claramente o que Deus colocou nas mãos do homem.
Eu não sou machista, eu sou uma mulher de Deus e sei o que mulheres de Deus sentem quando o homem da casa é falto de entendimento (e de vontade) para dar a proteção e a segurança que elas precisam.
Legal se você, homem cristão, é um bom provedor, se na sua despensa não falta nada, se seus filhos frequentam escola paga e você é dizimista.


Mas lamento te dizer que estas coisas não fazem de você o nosso herói!!


O homem mais amado, mais respeitado e mais reconhecido nem sempre tem seu foco só para a provisão.
O verdadeiro herói das famílias talvez não tenha as mesmas coisas que você tem, mas...

**conduz a honra de ser o cabeça do lar (Ef. 5:23)
**tem coração para amar a esposa como Cristo amou a Igreja e coragem para se entregar sacrificialmente por ela (Ef. 5:25)
**tem consideração para lidar com a mulher como parte mais frágil
**entende que a dignidade no relacionamento é a senha para que suas orações não sejam interrompidas (I Pe. 3:7)
**ainda ora com os filhos e os incentiva com seu exemplo pessoal a servir no Reino.

Abrão colocou Sarai na frente porque se borrou de medo do Faraó do Egito e isso não foi bom (Gn. 12:11-16).

Dou graças a Deus por ainda haverem muitos homens cuja mente não está conformada com este mundo, não foi deformada pela ignorância, influenciada pelos modismos ou tampouco visitada pelas distorções.

Parabenizo e destaco aqui um ministério chamado 'Homens de Valor'.
Conheça-o aqui

Que me perdoem os frágeis e sensíveis, mas hombridade é fundamental.

Extraido (http://pastoragente.blogspot.com)