terça-feira, 18 de outubro de 2011

Desculpas, desculpas, desculpas


Desculpas esfarrapadas abundam sempre que as reivindicações de Cristo são apresentadas às pessoas. Aqui estão algumas das desculpas mais comuns juntamente com as respostas:

  • “Existem tantos hipócritas na igreja!” O Senhor Deus não pede que você creia em outras pessoas, mas que creia nEle.
  • “Tudo que a igreja quer é dinheiro”. Cristo não quer o seu dinheiro; quer a sua confiança.
  • “O que acontecerá aos que nunca ouviram o Evangelho?” O justo Juiz de toda a terra fará justiça.55 Quem está em questão não são os pagãos, é você que ouviu o Evangelho. O que você vai fazer com Jesus?
  • “Por que Deus permite que haja tanto mal no mundo?” Através da obra expiatória de Cristo, mais glória veio para Deus e mais bênção para o homem do que se o pecado nunca tivesse existido.
  • “Se os cristãos estão certos, por que existem tão poucos?” Na época do Dilúvio, somente as oito pessoas que entraram na arca foram salvas, todas as outras pereceram na enchente. Não é verdade que a maioria esteja sempre certa.
  • “Como um Deus de amor pode mandar pessoas ao inferno?” As pessoas escolhem voluntariamente ir ao inferno quando recusam a oferta de salvação.
  • “Pensar que existe apenas um caminho não é ter uma visão estreita demais?” Já foi mencionado que, se existisse mais do que um caminho, o Senhor Jesus não precisaria ter morrido. Por que Ele pagaria um preço tão alto se um preço menor teria sido suficiente?
  • “Parece fácil demais”. Precisa ser fácil para que a salvação seja acessível a todos. Todos podem crer em Jesus, mas nem todos poderiam alcançar a salvação se fosse por meio de outras condições.

Estas são desculpas. O problema não é entender, é querer. Jesus deixou isto bem claro quando disse: “Não quereis vir a mim para terdes vida”.56 Em outra ocasião Ele disse a Jerusalém: “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te foram enviados! Quantas vezes quis eu reunir teus filhos como a galinha ajunta os do seu próprio ninho debaixo das asas, e vós não o quisestes!”57