sábado, 22 de outubro de 2011

Igreja no circo alcança pessoas em ministério itinerante


Com uma escada que leva a um confessionário improvisado e uma mesa dobrável servindo de altar, a entrada da arena Centro DCU não parece um lugar santo. Até que um grupo de trabalhadores do circo se reúne para celebrar a missa

Surge em cena o padre Jerry Hogan, vestindo um manto colorido, com imagens de leões e zebras. Enquanto distribui a Eucaristia, muitos dos presentes ajoelham no chão de mármore, fazem suas orações e ouve-se uma canção em português.

O evento parece deslocado em meio a um circo de três picadeiros. Depois de meses de convivência em vagões de trem e realizando centenas de apresentações por ano, estes 50 católicos trabalhadores circo e seus filhos são um grupo radiante que abraçam o padre e as freiras que estão naquele dia.

“Essa é a minha maneira de conhecer a Jesus e me sentir protegida”, disse a trapezista Ingrid Silva enquanto se preparava para o sacramento da confirmação.

O ministério itinerante The Circus, da Conferência dos Bispos dos EUA, cuida da vida espiritual de cerca de 4.500 católicos que trabalham em 41 circos da América do Norte, e se faz presente em parques de diversão, rodeios e corridas de automóvel.

Já que as vidas dessas pessoas são muito inconstantes e não permite que muitos deles frequentem a igreja, por isso a igreja é que vez até eles. Atualmente, o ministério está sendo reformado para depender menos dos profissionais religiosos e usar mais os leigos disponíveis.

Durante anos, as irmãs Dorothy Fabritze e Overkamp Bernard acompanharam circos famosos, mas agora se dedicam a treinar pessoas para serem educadores religiosos e contam com doações para sustentar o seu ministério. Fabritze disse: “Nós vamos ajudá-los a planejar as aulas e responder de acordo com o que as pessoas estão pedindo.”

Os trabalhadores de circo reconhecem a importância de a igreja estar próxima. Afinal, algum deles sabe que algo de ruim pode acontecer em qualquer noite, e querem estar preparados para se encontrar com Deus.

Paulo Cesar, um anão brasileiro de 27 anos, dirige sua motocicleta em um “globo da morte” toda noite. Poucas horas antes do show, ele aproveitou a oportunidade de participar dos sacramentos. “Nunca sabemos o que pode acontecer na motocicleta ou no trampolim”, disse ele. “Mas meu trabalho é bom porque sei que tenho Jesus no coração.”

O ministério itinerante The Circus teve início em 1928, quando um monsenhor começou a dar a bênção no trem que levava o circo. O circo de hoje reúne talentos de todas as partes do mundo, e a maioria dos artistas são da América Latina e Europa Oriental. “Eu tive de aprender a sorrir em um monte de línguas”, disse Hogan.

Mas por trás do sorriso é admiração para os sacrifícios dos trabalhadores de circo fazer a fim de dar ao público um par de horas de diversão.

“Quando eles estão realizando, a arena é um lugar sagrado”, disse Hogan. “É seu templo. É aonde as pessoas vêm para se divertir e esquecer o que está acontecendo em sua vida… Meu trabalho é ajudar a melhorar suas habilidades com um sistema de apoio”.

Além de passar parte de seu ministério viajando, Hogan é um dos padres da Paróquia de St. Michael, na cidade de North Andover, Massachusetts. Ele faz suas viagens com um orçamento apertado, muitas vezes recorre a outros padres e monges para lhe hospedar e ajudar.

Se alguém no circo precisa de um mecânico, um dentista ou um par de óculos novos, os religiosos do local os ajudam a conseguir os melhores preços e serviços. “É uma grande família”, comemora Hogan.

Fonte: Gospel Prime