sexta-feira, 20 de abril de 2012

Algumas mulheres têm medo de casar.

Há muitas gerações, homens e mulheres são criados de forma diferente: a menina tem que aprender tudo de casa, limpar, cozinhar, organizar. Já os meninos têm que aprender a ser “machos” desde pequenos, então, podem jogar bola, deixar o tênis jogado na sala, até porque arrumar tudo é papel da mulher.

Com a evolução da sociedade, a mulher ganhou um novo espaço: o profissional. Agora, ela tem várias atividades, o de mulher, esposa, mãe e, por que não, ajudar a trazer dinheiro para casa? “Foi esta nova opção de vida que trouxe à mulher o medo de ser dependente financeiramente de alguém. Não é exatamente o medo de casar, mas sim o de deixar o seu trabalho para cuidar da casa e dos filhos”, explica a psicóloga Heleni Gimenes.

O aprendizado de como ser mulher e homem, inserido desde criança, traz com ele alguns paradigmas, que são difíceis de transpor. “A mulher sabe que, ao casar, enfrentará um homem machista, que chegará cheio de manias que podem incomodá-la. E não é sempre que ela estará disposta a ensinar o que a mãe deveria ter ensinado: de ser mais participativo”, exemplifica a psicóloga.

Segundo ela, a mulher quer casar com um companheiro e não com um marido. “E é isso que não é sempre que a mulher está disposta a ensinar. Ser marido é colocar em prática todo o lado machista imposto na criação, ou seja, a mulher terá um ajudante, de vez em quando, que ainda fará as atividades com má vontade. Um companheiro é diferente, ele divide as atividades, e faz porque entende que, assim como ele, ela também trabalhou o dia inteiro e precisa de auxílio.”

Foi esta dificuldade que Talita Machado sentiu ao se casar. “Eu trabalhava o dia inteiro e, quando chegávamos em casa, ele largava o tênis na sala, assistia televisão e não era capaz de lavar um copo. E isso me incomodou de tal forma que eu tive que conversar com ele e explicar que eu não era empregada ou mãe dele, que a casa era dos dois e ambos deveriam fazer tudo. Realmente, eu fui obrigada a adestrá-lo e a ensiná-lo a ser meu companheiro.”

E é esta disposição de ensinar, que não se encontra em todas as mulheres. “É isso que também traz o medo de casar, porque ela sabe que pode se frustrar lá na frente, caso ele não seja o companheiro que ela tanto procurou”, aponta Heleni.

O futuro

Para que este medo de se casar não perdure, é necessário que as mães contemporâneas eduquem de forma diferente. “E isso significa ensinar os meninos a ser parceiros, manter as coisas organizadas, lavar louça, enfim, fazer coisas que no futuro, eles tenham que saber ou por necessidade ou para ajudar a sua futura esposa”, finaliza a psicóloga.

Extraido http://meublogpessoalpriscilaleite.blogspot.com.b