quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Você é um robô religioso?


Você é um robô religioso?Você tem tarefas na igreja, um cargo na congregação que frequenta, vive na correria. Se é líder, sempre está pensando em atividades para fazer com seus liderados, cheio de estratégias para mantê-los na presença de Deus, repleto de ideias de como evangelizar, empolgação até o pescoço, congressos e encontros a agendar e… e… e…
Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel
E?
A questão é: aonde tudo isso vai levar seus liderados, você ou os demais membros de sua igreja? No final das contas, o que esse monte de coisas está contribuindo para a criação de uma mente cristã renovada, uma devocionalidade sólida e uma relação de intimidade entre Jesus e os irmãos?
Nunca podemos nos esquecer das razões pelas quais fazemos o que fazemos. Por que vivemos na correria? Por que organizamos atividades com os liderados? Por que bolamos estratégias? Por que evangelizamos? Por que nos empolgamos? Por que organizamos congressos e encontros?
Um dos grandes perigos da vida em igreja e, especialmente, da liderança eclesiástica, é o ATIVISMO. É quando começamos a realizar coisas e a tocar o barco de forma tão automática que não paramos para pensar com profundidade nas motivações, nos objetivos bíblicos, nos benefícios espirituais do que fazemos. Pois igreja não é um clube ou uma academia, onde vamos cumprir uma agenda pré-definida de atividades e uma sequência de metas. Igreja é um organismo que pulsa vida. Portanto, se fazemos tudo automaticamente somos na verdade robôs. E robôs não têm vida: sua aparência é a de entidades vivas, mas não passam de circuitos e lataria organizados num conjunto lógico, para se movimentar, agir e desempenhar tarefas… automaticamente.
Você pensa a vida da igreja momento a momento? Ou faz tudo apenas reproduzindo o que viu alguém fazer? Será que o que dita a sua rotina de vida eclesiástica e/ou liderança é a vontade de Deus viva em seu coração ou mero ativismo?
Pare agora e reflita. Pense se você se lança nos braços de Deus a cada decisão que precisa tomar voltada para a igreja e/ou seus liderados. Porque, afinal de contas, quem lidera é você ou é Deus? Se você não deixar Jesus liderar, sua igreja não será um organismo vivo a serviço do Reino, mas um organismo ativista a serviço de uma pessoa ou de um grupo.
Procure bater um papo com seus irmãos e trocar experiências. Compartilhe com franqueza suas dificuldades e peça sugestões de como superá-las. Confesse com franqueza se você nota que está apenas vivendo um dia após o outro no seu papel ou na sua liderança, em vez de buscar ouvir de Deus a cada momento o que Ele deseja para as almas que entregou na sua mão. Se você chegar à conclusão que tem sido um ativista, mais do que um coração pulsante pela causa de Cristo, é hora de repensar tudo o que tem feito – pois todo robô um dia para de funcionar.